segunda-feira, 17 de fevereiro de 2014

A importância da análise prévia em leilões

 


SÃO PAULO - A compra de um imóvel em leilão pode gerar uma economia de 20% a
40%, em relação ao preço de mercado. Contudo, alertam especialistas, para que a
economia valha a pena e a aquisição não se transforme em um pesadelo, é preciso
tomar alguns cuidados.

De acordo com o diretor de operações imobiliárias do Portal de Documentos – empresa
especializada na gestão de documentos digitais com valor jurídico -, Marcos Caielli, os
interessados em adquirir um imóvel por meio de leilão, devem desconfiar de ofertas que
prometem descontos de 50% ou mais no imóvel. Geralmente, explica ele, isso pode ser indício
de problema.

O advogado, especialista em direito imobiliário, do escritório Duarte Garcia, Caselli Guimarães
e Terra Advogados, José Antônio Costa Almeida, concorda e completa: “Os leilões têm um risco
maior, por isso possuem preços menores. Não recomendaria, por exemplo, a compra de um
primeiro imóvel em leilão, visto que há diversas situações que podem trazer a anulação do 
evento”, argumenta.


Problemas

Dentre as dores de cabeça mais comuns que podem ser enfrentadas por quem compra um
imóvel em leilão estão as dívidas da propriedade, como débitos condominiais e municipais, a
casa ou apartamento necessitar de uma grande reforma e ainda o fato do imóvel estar
ocupado, o que pode gerar um processo na justiça.

No geral, os imóveis ocupados são os principais desafios de quem vai comprar um imóvel
em leilão, sendo que, em muitos casos, é melhor o comprador repensar a intenção da
aquisição, aconselha Almeida. “Sempre é válido visitar o imóvel antes e tentar resolver a
questão amigavelmente. Contudo, via de regra, a pessoa não desocupa o imóvel sem que haja
um pedido de reintegração de posse na Justiça.”


Documentação

Segundo os especialistas, quem opta por adquirir uma propriedade por meio de leilão, seja ele
presencial ou virtual, deve obter o máximo de informações possíveis acerca do imóvel.
Dessa forma, ler o edital atentamente torna-se indispensável. No documento, o comprador
deve observar se o imóvel está ocupado ou não, o valor da dívida, o valor do imóvel e se há
algum outro débito que o futuro proprietário deverá ser responsável.

“Antes de decidir se participa ou não, a pessoa deve ler o edital, estudar o processo, verificar a
origem da dívida que levou o imóvel a leilão, se trabalhista, condominial, entre outras. O
interessado deve observar ainda se o devedor tem outras dívidas, que podem levar à anulação
do leilão. Isso porque, obter o dinheiro de volta, não é um caminho tão fácil”, alerta o
advogado.

Caielli observa ainda que para ficar mais ciente das dívidas que envolvem o imóvel, o
interessado deve obter em cartório as certidões envolvendo o dono do imóvel, especialmente
a certidão trabalhista, que diz se há ou não dívidas deste tipo.

Além disso, diz ele, visitar o imóvel para observar as condições do mesmo, ajuda a decidir se
vale a pena ou não a aquisição, visto que, muitas vezes, a propriedade requer uma reforma,
que pode fazer com que o desconto da compra não seja tão vantajoso.

Por fim, vale lembrar que quem compra um imóvel em leilão deve arcar com as despesas
normais que envolvem a compra de uma propriedade, como as custas com cartório e
impostos como o ITBI (Imposto sobre Transmissão de Bens Imóveis), além da taxa do leiloeiro,
que geralmente equivale a 5% do valor negociado.

Fonte: Infomoney



1 comentários:

  1. Hoje tive contato com um advogado especialista em leilões que me tirou algumas dúvidas, mas esqueci de perguntar se a arrematação de um imóvel pode trazer algum dívida fora aquelas que constam do edital. Muito obriga, novamente.

    ResponderExcluir