terça-feira, 7 de agosto de 2012

STJ isenta Microsoft de conteúdo de e-mails

 
A 3ª Turma do Superior Tribunal de Justiça entendeu que a Microsoft não deve ser responsabilizada pela veiculação de mensagens consideradas ofensivas à moral de usuário, e que a impossibilidade de identificação do remetente da mensagem não configura defeito na prestação do serviço de e-mail.
Um usuário entrou com uma Ação de Indenização contra a Microsoft, sob a alegação de ter sido alvo de ofensas veiculadas em e-mail encaminhado a terceiros por intermédio do serviço de correio eletrônico Hotmail.
“O dano moral decorrente de mensagens, com conteúdo ofensivo, enviadas pelo usuário via e-mail, não constitui risco inerente à atividade dos provedores de correio eletrônico, de modo que não se lhes aplica a responsabilidade objetiva prevista no artigo 927, parágrafo único, do Código Civil”, afirmou a relatora do caso no STJ, ministra Nancy Andrighi. A decisão foi unânime.
Segundo a ministra, por mais que se diga que um site é seguro, a internet sempre estará sujeita à ação de hackers. Assim, a impossibilidade de identificação da pessoa responsável pelo envio da mensagem ofensiva não caracteriza, necessariamente, defeito na prestação do serviço.
“Mesmo não exigindo ou registrando os dados pessoais dos usuários do Hotmail, a Microsoft mantém um meio suficientemente eficaz de rastreamento desses usuários, que permite localizar o seu provedor de acesso (este sim, com recursos para, em tese, identificar o IP do usuário), medida de segurança que corresponde à diligência média esperada de um provedor de correio eletrônico”, concluiu a ministra. Com informações da Assessoria de Imprensa do STJ.
Revista Consultor Jurídico, 7 de agosto de 2012

Mais informações.

0 comentários:

Postar um comentário