sexta-feira, 5 de agosto de 2011

Investindo em imóveis - Custos

Especial Imóveis - Investindo em imóveis - Custos






Por: Equipe InfoMoney
 



Custos
Por envolverem uma grande quantia de dinheiro, as transações imobiliárias são demoradas e caras. Os custos são elevados não em termos relativos, mas em termos absolutos. Percentualmente eles podem não representar muita coisa. Mas quando as contas são feitas, esses gastos chegam a comprometer boa parte do lucro dos proprietários ao vender um imóvel. Ou em alguns casos, aumentar o prejuízo.

Dessa forma é importante estar atento aos custos envolvidos numa transação imobiliária. Ao avaliar um imóvel, o proprietário precisa incluir nos cálculos as despesas que serão realizadas na venda da propriedade. Eles podem ser cruciais para saber se houve lucro ou prejuízo na operação.

Corretagem
Talvez a maior despesa com a venda de um imóvel seja o valor pago à corretora que se encarregou do negócio. É por esse motivo que muitos proprietários resolvem tentar negociar seus imóveis por conta própria. Em geral, essas empresas cobram pela transação entre 4% e 8% sobre o valor do imóvel. E é claro que quem arca com os custos são os proprietários.

Em alguns países a corretagem é paga pelo comprador. Em São Paulo, como a oferta supera a demanda nesse mercado, quem sai perdendo são os vendedores. Se o valor do imóvel vendido for de R$ 100 mil, o proprietário receberá no máximo R$ 96 mil. O restante vai para a conta da corretora imobiliária. Lembre-se de que quanto menor for o valor do imóvel, maior é a corretagem. E quanto maior o valor do imóvel, menor será o percentual da corretagem.

Impostos

Numa operação de venda, o dono do imóvel precisa ainda pagar aos cofres estaduais cerca de 2% sobre o valor do imóvel. Trata-se do imposto sobre a venda de propriedades. Naturalmente, como a cobrança é estadual, essa taxa varia de estado para estado. Os 2% são referentes a São Paulo. No caso da propriedade acima, são mais R$ 2 mil que o vendedor deixa de lucrar. O valor recebido cai para R$ 94 mil.

Despesas com cartório

Além das duas despesas já mencionadas, o dono do imóvel não pode esquecer de que terá que gastar ainda mais com o cartório. São inúmeras taxas que precisam ser desembolsadas para registrar as transações de propriedades. O problema é que é difícil calcular todas essas despesas cartoriais. O que se pode afirmar é que as despesas giram em torno de 0,5% do valor da propriedade.

0 comentários:

Postar um comentário