segunda-feira, 20 de setembro de 2010

CVM concentra reclamações como falhas em homebroker e em ordens

SÃO PAULO – Problemas como falhas no funcionamento do homebroker e na execução de ordens são os mais reclamados pelos investidores na CVM (Comissão de Valores Mobiliários), revelaram dados divulgados nesta segunda-feira (20).

No primeiro semestre deste ano, o assunto “negociações com valores mobiliários”, que trata desses problemas, foi o mais abordado, com 35,73% do total de processos de reclamações e denúncias na CVM.

O assunto que liderou as reclamações trata dos serviços prestados por instituições que integram o sistema de distribuição de valores mobiliários e abrange, inclusive, casos em que há a realização de operações sem o conhecimento do próprio investidor.

O ranking
Em segundo lugar nas reclamações, estão os fundos de investimento, que ficaram com 15,17% do total, devido ao relato de problemas que diziam respeito à rentabilidade auferida e a dificuldades de localização de saldos de investimento.

“Durante o período recebemos, ainda, questionamentos acerca dos procedimentos adotados pelo administrador em assembleias de cotistas”, relatou a CVM.

Posição acionária foi o terceiro assunto mais reclamado, com 10,82% do total. As demandas, neste caso, tratavam de operações de grupamento, em função de dúvidas ou discordâncias quanto à devolução da quantidade de ações detidas pelo investidor.

O quarto lugar no ranking ficou com a demora na transferência de ações entre instituições prestadoras do serviço de custódia e de ações escrituras, conforme mostra a tabela abaixo:

Ranking de assuntos mais reclamados em processos
abertos decorrentes de denúncia e de reclamações de investidores
Assunto Participação
1º semestre de 2010 
Participação
2008 a 2009 
Negociações com valores mobiliários 35,73% 35,92%
Fundo de investimento 15,17% 15,74%
Posição acionária 10,80% 10,54%
Demora na transferência de ações 7,46% 3,54%
Ofertas irregulares 5,14% 4,26%
Medidas adotadas por controladores e/ou
administrador da companhia
3,34% 2,42%

0 comentários:

Postar um comentário